"Espíritas! Amai-vos, eis o primeiro ensinamento; instruí-vos, eis o segundo." (Cap. VI, item 5)

"Reconhece-se o verdadeiro espírita pela sua transformação moral e pelos esforços que faz para domar suas más inclinações." (Cap. XVII, item 4)

O EVANGELHO SEGUNDO O ESPIRITISMO

VOLTAR    IMPRIMIR

Artigos

Autoestima

O que é a autoestima? Por que ela é de importância capital em nossa vida? Quais são os sinais característicos da baixa autoestima? Como desenvolver uma autoestima mais elevada? Quais os benefícios que esta pode nos trazer?

        

         A autoestima – definida como a “aceitação que o indivíduo tem de si mesmo” [1] – é um conjunto de crenças que alimentamos em relação a nós mesmos, influenciando, consideravelmente, a maneira de nos percebermos interna e externamente. Representa, assim, algo de importância capital em nossa vida, porque essa percepção particular, que tanto pode ser positiva como negativa, tende a nos conduzir a muitas vitórias ou a vários fracassos e derrotas.

         Entretanto, em várias situações, podemos constatar que esse ponto de vista que cada um tem de si, nem sempre, corresponde à realidade. Como exemplo, temos o complexo de inferioridade que se manifesta em certos jovens. Alguns deles alimentam uma autodesvalorização tão intensa, sentindo-se feios ou inferiores, em virtude de características que não aceitam em si mesmos: um sinal, estatura, cabelo, forma física, temperamento. Com isso, admiram artistas, sonham com os cabelos, nariz, forma física e carisma dos outros, sem conseguirem perceber que também possuem suas próprias qualidades, inteligência e beleza.

         No aspecto físico, a pessoa com baixa autoestima tende a ter uma aparência desleixada, postura curvada, olhar sem brilho e para baixo, obesidade, voz vacilante, falta de higiene etc. Psicologicamente, ela pode ser medrosa, insegura, impaciente, ansiosa, ingênua, tímida, envergonhada, bem como apresentar dificuldades em seus relacionamentos, não conseguir fazer-se respeitar pelos outros e possuir os mais variados tipos de compulsões: bebida, comida, sexo, trabalho...

         A baixa autoestima provém de vários fatores. Em se tratando apenas da presente existência, na maioria dos casos, é decorrente de um deficiente desenvolvimento psicológico, na infância e na adolescência.

         A Doutrina Espírita, porém, ensina que todos os espíritos, em decorrência das encarnações anteriores, quando nascem, já trazem sua própria bagagem espiritual, cujo conteúdo é variável para cada um deles. Aqueles que vivenciaram situações difíceis e traumatizantes, por certo, serão as crianças e os jovens com problemas mais complexos a serem resolvidos, requisitando, dos pais, maior cota de paciência, compreensão e conhecimentos. E, infelizmente, nem sempre estes conseguem perceber, em tempo hábil, a melhor maneira de orientar o reequilíbrio mental e emocional de seus filhos. Outros espíritos, por possuírem uma bagagem existencial mais amena, não apresentam tantas dificuldades íntimas, e, com isso, conseguem sustentar sua autoestima em nível mais elevado. Decerto conhecemos lares em que algumas crianças são, intimamente, muito mais saudáveis que os próprios irmãos. 

         Mas ainda é bastante grande a resistência por parte das pessoas quanto à conscientização dos problemas psicológicos que, porventura, carregam. No entanto, tal questão deveria ser tratada, e resolvida, com a maior naturalidade. Vamos com facilidade a um médico quando estamos doentes fisicamente, porém, em nossas dificuldades íntimas, tendemos a menosprezar, por orgulho ou falta de percepção, a ajuda que um profissional especializado pode nos proporcionar nesse sentido.

 

****

 

         O escritor espírita Jason de Camargo, na obra EDUCAÇÃO DOS SENTIMENTOS, apresenta considerações bastante úteis no tocante à manutenção de autoestima propiciadora de uma vida mais feliz, equilibrada e saudável. Suas sugestões falam sobre a importância:

 

1.   do autoconhecimento:

 

            O autoconhecimento é de grande valia para o nosso aperfeiçoamento. Uma análise serena e honesta sobre nós próprios levantará os pontos que merecem ser modificados. [2]   

 

         Apesar de nossa aptidão para analisar o mundo atual e comentar sobre ele, nos embaraçamos quanto à compreensão de nosso mundo íntimo. Assim, por resistirmos em reconhecer muitas das fragilidades e limitações que ainda possuímos, mal conseguimos falar de nossos pensamentos e sentimentos mais íntimos, mal sabemos quem realmente somos.

 

2.   da autoaceitação:

 

         Aceite-se como é – cada encarnação tem razões ponderáveis e você descobrirá valores significativos em si próprio. Não queira ser outra pessoa. Valorize mais os pontos positivos que você possui. [2]     

 

         A autoaceitação consiste na liberdade de ser, de pensar e de agir, porém, com consciência elevada. Com isso, controlamos melhor nossa própria vida, porque nos livramos da dependência doentia da consideração e aprovação alheias.

         Muitos são os indivíduos que esperam as outras pessoas valorizarem neles aquilo que nem eles próprios conseguem reconhecer em si. Mas o certo é que, quem se subestima, sempre precisa de um outro alguém ao seu lado para validar sua pessoa. E quando não obtém aquilo que suas expectativas anseiam, acaba por se sentir, emocional e moralmente, diminuído.

         Não é orgulho alimentar uma autoaceitação genuína e profunda, porque quando ela se alia à autoestima, mais eficientemente nutrimos sentimentos de vivacidade e contentamento, mais respeitamos nossa própria individualidade. Tanto isso é uma realidade que, no Evangelho de Mateus (13:44), Jesus assim se pronuncia: “O Reino dos Céus é semelhante a um tesouro escondido no campo; o qual certo homem, tendo-o achado, escondeu. E, transbordante de alegria, vai, vende tudo o que possui e compra aquele campo.”  [3] 

         É bastante estimulante vivenciar a alegria de encontrar “tesouros” – às vezes, tão escondidos! – no próprio íntimo. Contudo, uma autoestima elevada nos permite transitar pela existência com maior satisfação.

 

3.   do autoamor

 

         Ame-se – o próprio Cristo disse que nós deveríamos amar o próximo como a nós mesmos. Deus não escolhe a quem amar. Ele ama a todos e você é uma centelha divina do Criador. Portanto, ame a si e ao seu semelhante.  [2] 

 

         De pouca importância será nossa posição social, ou nossos bens e conhecimentos, ou, ainda, nossa aparência física, se não acreditarmos em nós mesmos, se não cultivarmos o autoamor. Se não alimentarmos nossa própria dignidade, permitiremos que os outros falem, decidam e vivam por nós!

         Não existe nada mais triste do que passar toda uma existência sem se dar o devido amor e respeito. E, por que disso? Porque se não nos respeitarmos, quem nos respeitará? Se não nos amarmos, quem nos amará? Quando nos respeitamos e nos amamos plenamente, mostramos aos outros como eles devem nos tratar. Traduzindo isso em outras palavras: devemos esperar dos outros a mesma dignidade que damos a nós mesmos.

 

4.   da fé

 

         A fé é certeza – fique sempre do lado da confiança em si mesmo. A dúvida abre brechas psíquicas de incerteza, e isso poderá desmoronar seus objetivos de progresso. [2]

 

          A baixa autoestima sempre nos inclina às escolhas inadequadas e a um persistente sofrimento íntimo, porque, mais veementemente, passamos a tomar decisões movidos pela insegurança e pelos mais variados tipos de medos: da solidão, de sermos incapazes, da opinião alheia.

         Uma autoestima elevada favorece a autoconfiança e uma visão mais positiva e consistente de nossa própria realidade, nos impelindo à busca de maiores níveis de excelência e de felicidade em nosso dia a dia. 

         O apóstolo Paulo, em sua Primeira Epístola aos Tessalonicenses (2:4), assim sintetiza a essência da autoconfiança: “Assim falamos, não para que agrademos a homens, e sim a Deus, que prova o nosso coração.”  [3] 

 

5.   dos pensamentos

 

         Tudo provém dos pensamentos – procure ficar do lado dos pensamentos construtivos e saudáveis, e eles o levarão para portos mais seguros. Substitua os pensamentos negativos por outros mais positivos. [2]

 

         Se acreditarmos que, apesar de nossos medos e limitações, merecemos o bem e a plenitude íntima, certamente, nos empenharemos nessa conquista.

 

6.   dos bons hábitos       

 

         Cultive bons hábitos – habitue-se a ter seus momentos de paz diariamente. Leia o Evangelho, medite sobre seu conteúdo, faça uma prece profunda e prossiga com otimismo na vida.   [2]

 

7.   da perseverança

 

         Perseverança – persevere na direção da autoestima saudável, e ela virá progressivamente. A chegada depende do esforço de cada um. Cultive bons pensamentos e não saia deles. [2]

 

         A Doutrina Espírita ensina que cada indivíduo, por possuir livre-arbítrio, é o realizador do seu próprio destino. Quando ele, porém, tem plena convicção daquilo que lhe é o melhor, é determinado e perseverante. Com isso, se empenha em remover os empecilhos de seu caminho, em não permitir que ninguém o demova de seus mais caros objetivos, em não se deixar dominar pela ideia de que está fadado a sofrer, em não abrir brecha para que a incerteza anule sua força íntima. Assim, ele planeja sua vida, cria suas próprias metas e segue seu caminho com firmeza e resolução, buscando a plenitude íntima, sempre.

 

         Quando nos embrenhamos nesse processo de descoberta de nosso próprio valor, a potencialização de uma autoestima elevada torna-se uma consequência natural. Gradativamente, vamos entendendo que o amor a nós mesmos, como recomendado por Jesus, é garantia de uma vida mais gratificante e consciente das riquezas que nos cercam. E, quando estamos bem com nós mesmos, amar a Deus e ao próximo torna-se algo inevitável, em razão da alegria e da confiança que passamos a abrigar n’alma.

         Para finalizar suas considerações sobre a autoestima, de Camargo nos deixa mais essas palavras:

 

         Aos poucos, o indivíduo irá aumentando sua autoestima; aparecem os sinais do prazer da vida, da autoaceitação, da consciência de seu valor, da alegria, da flexibilidade, da confiança, da atitude positiva e dos demais valores de uma vida saudável e equilibrada. [2]

 

 

Autoestima: saber apreciar-se, avaliar-se, computar-se com discernimento e não com julgamento. É buscar o bem em si mesmo, na certeza da própria certeza interior. É pensar positivamente, consciente de que para tudo há uma razão. É olhar-se com naturalidade, observar-se para crescer e não para criticar ou ufanar. É estar bem consigo mesmo. É ter prazer de ser. [4]

 

 

Silvia Helena Visnadi Pessenda

sivipessenda@uol.com.br

 

 

 

REFERÊNCIAS

 

 

[1] MICHAELIS: moderno dicionário da língua portuguesa. São Paulo: Companhia Melhoramentos, 1998.

 

[2] CAMARGO, Jason de. Educação dos sentimentos. 5. ed. Porto Alegre: Letras de Luz, 2003. Cap. 11.

 

[3] BÍBLIA. Português. Bíblia de estudo Almeida. Barueri, SP: Sociedade Bíblica do Brasil, 1999.

 

[4] LUCCA, Lousanne Arnoldi de. Alfabetização afetiva. 4. ed. São Paulo: Centro de Estudos Vida & Consciência Editora, 2008. Cap. 6. p. 90. (literatura não-espírita)

 

 

HAMMED (espírito); SANTO NETO, Francisco do Espírito (psicografado por). Os prazeres da alma. 1. ed. Catanduva, SP: Boa Nova Editora, 2003.